HEARTHSTONEReport Do Metagame Construído #1

Bruno Gonçalves 26 de dezembro de 2018

Metagame Standard

Bom dia a todos os leitores, hoje vamos discutir o metagame do formato standard, o formato mais promovido pela Wizards. Atualmente é um dos formatos mais saudáveis de todos, com certeza está muito melhor que nos anos anteriores e isso mostra o resultados positivos da equipe de play testing.
Para quem não sabe, apenas os formatos limitados (draft e selado) e o standard recebem play testing. O que começou após o lançamento do bloco de Kaladesh está finalmente dando frutos, não existe um melhor deck, porém existem diversos arquétipos no atual tier 1. Então sem perder mais tempo vamos a análise.

Dados e porcentagens baseados no MTGGoldifish.
Tier 1- Atualmente temos 4 decks principais brigando pelo título de melhor. São eles o Golgari Midrange, o Jeskai Control, o Boros Wennie e o Izzet Drakes. Cada um representando um arquétipo diferente. Essas 4 estratégias ficam em um revezamento constante, como em um jogo de jokenpô. Para entender como esse equilíbrio funciona eu vou tratar cada um individualmente.

Golgari Midrange (19,88% do formato)- Um dos primeiros decks da expansão (e o pesadelo precoce de alguns jogadores), ele se baseia na clássica estratégia midrange de ganhar de decks controle através de valor e pilhas de ameaças, enquanto sobrecarrega os decks agressivos com remoções pontuais. Quanto mais popular o golgari midrange é, mais ganancioso ele se torna, removendo alguns boardwipes do sideboard por mais formas de forçar ameaças no oponente, o que faz dele vulnerável as estratégias mais rápidas e agressivas. Entretanto ele é fantástico contra decks controle, graças a cartas como o tirano da carnificina.

Boros Weenie (13,04% do formato)- Uma estratégia agressiva, extremamente importante para impedir que os deck se tornem muito gananciosos, afinal de que adianta o seu dinossauro gigante de seis manas se você estiver morto no turno 5. Focado em jogar uma criatura ou mais todo turno, e depois pisotear o adversário com elas. O pesadelo de decks sem boardwipes.

Izzet Drakes (10,58% do formato)- Praticamente um combo, esse deck se baseia em causar muito dano enquanto o adversário estiver desprotegido, cartas como a phoenix e a maximizar velocidade são as bases estruturais dessa estratégia. Favorecido contra decks que possuem um início lento ou que demoram a tomar iniciativa, porém estratégias agressivas tendem a ser difíceis de lidar com.

Jeskai Control (9,94% do formato)- Clássico draw-go control, torna a vida de decks focados em pequenas criaturas um inferno. Um acervo variado de board wipes e remoções tornam o Jeskai Control uma resposta versátil aos decks focados em criaturas, se aproveitando de trocas 3 por 1 e ameaças que são difíceis de lidar para fechar os jogos. Geralmente não consegue lidar com estratégias que geram dano do nada, como burn e decks de phoenix.

Tier 2- Aqui estão os decks que precisam de um cenário específico para se saírem bem, um meta muito lento ou muito rápido. São muito bons contra certas estratégias, mas acabam tendo matchs  desfavoráveis contra a grande maioria das outras. Mesmo assim tem um papel importantíssimo em moldar o metagame. Atualmente a tier 2 têm 5 decks principais.

Monored Aggro (8,70% do formato)- Clássico monored, criaturas baratas pra baixar a vida do adversário e depois finalizá-lo com feitiços de burn. Bom contra decks que não conseguem lidar com os feitiços de dano, como decks controle no primeiro jogo, mas são muitos vulneráveis a ganho de vida.

Selesnya Tokens (6,83% do formato)- Tem uma estratégia simples, criar várias criaturas pequenas e deixá-las mais fortes com cartas como a trostani. Muito bom contra decks que não conseguem combater o enxame, mas ineficiente contra board wipes.

Monoblue Tempo (4,35% do formato)- Uma estratégia tempo eficiente que visa comprar cartas enquanto causa dano através de criaturas com evasão. Usa counterspells para evitar boardwipes e remoções, permitindo que as criaturas continuem com o massacre. Efetivo contra decks mais lentos, porém não consegue acompanhar a velocidade dos decks aggro.

Grixis Control (3,73% do formato)- Remoções e disrupção na forma de counterspells e descartes tornam esse um deck eficiente contra estratégias mais lentas, e várias ameaças pra fechar os jogos. Acaba tendo dificuldade contra decks aggro baseados em criaturas.

Dimir Control (3,11% do formato)- Dimir fazendo coisas de dimir, um deck baseado quase exclusivamente em vencer através de card advantage usando desinformation campaign. Enquanto deixa a vida de decks controle um inferno acaba sendo ineficiente contra as estratégias agressivas.

O formato está bem variado e saudável, permitindo vários arquétipos diferentes. A prova disso é que ainda existem vários outros decks funcionais no formato, porém não tão efetivos e populares quanto esses.