HEARTHSTONEDe Olho nos Nerfs #1 – O Lançamento Secreto do Ringue do Rastakhan

ELTON FIOR 19 de dezembro de 2018

E aí pessoal, também foram pegos de surpresa com o anúncio dos nerfs? Pois é, todo mundo foi surpreendido novamente com a bomba anunciada nessa madrugada, inclusive a nossa fonte de dados, o Vicious Syndicate, que estava prestes a divulgar mais uma análise de Meta nessa quinta e cancelaram o artigo por conta da mudança massiva que deve vir com um dos mais brutais conjuntos de nerfs já visto nos quase 5 anos de vida de Hearthstone. Para compensar, eles lançaram um artigo sobre o que deve esperar cada classe nos próximos meses e eu vou adaptar parte dele aqui para nossos leitores da MKTV!

Os nerfs

Com pouco mais de duas semanas desde o lançamento do Ringue do Rastakhan, a Blizzard percebeu que a expansão mal havia arranhado o Metagame. Ao invés de esperar os 2 meses costumeiros dos nerfs de meio de temporada, ela agiu rapidamente e já decidiu balançar o Meta com 5 nerfs altamente impactantes (para saber mais, é só seguir esse link aqui).
Então, agora estamos de fato diante do verdadeiro lançamento do Ringue do Rastakhan e os cards da expansão terão mais espaço e então vamos ver o que deve esperar o futuro de cada classe:

Status: estoura uma garrafa de Champagne!

É um dos, se não o maior, ganhadores do nerf, já que não teve nenhum de seus cards afetados e viu o maior inimigo de todos os seus arquétipos, Paladino Ímpar, ser drasticamente enfraquecido. Tudo indica que a classe vai se manter como a mais popular do Meta e seus 3 principais decks – Feitiços, Cubo e Segredos – permanecem como opções fortes para o futuro.

Cubo
Segredos
Feitiços

Status: Ainda tem muitas adagas restantes para esfaquear pessoas
O nerf no Veneno Sorvedouro invalida o deck de Ruína dos Reis da maneira como ele existe hoje, mas a classe ainda tem muitas ferramentas para perseverar no formato. Sumir ainda é um baita de card, especialmente para lidar com os decks de Caçador e não seria nenhuma surpresa se com a saída de cena de decks demolidores de Control (Calafrarte, Fubalumba, Ruína dos Reis), o Ladino Missão ressurja – mais uma vez – das trevas para predar em cima de decks mais lentos que eram subjugados por esses arquétipos.

Outro arquétipo da classe que deve ganhar um gás com a redução na presença de Paladino Ímpares e decks de Druida com Pestes Incontroláveis é o Ladino Ímpar, que tem tudo para se tornar o principal deck Aggro do novo Meta. Além dele, apesar das dificuldades contra Pala Ímpar,  o Ladino Tempo, com Príncipe Keleseth e Cadaverina também pode dar as caras. E também não nos esqueçamos do imortal Ladino Miracle, que sempre dá um jeito de aparecer no Meta após grandes mudanças.

Missão
Tempo
Ímpar

Status: perde de um lado, ganha de outro

Obviamente que a classe foi afetada diretamente pelo nerf: seu principal deck perdeu seu segundo card mais poderoso, atrás apenas da própria Baku. Só que os números já indicavam uma mudança no cenário: Paladino Par usurparia do Pala Ímpar o posto de deck mais Efetivo na publicação cancelada da amanhã. O deck sofre um pouco com o nerf ao perder a interação entre os Extratores de Saronita e a Val’anyr, mas isso não deve enfraquecer o deck e na verdade ele deve seguir com esses cards mesmo assim.

Embora vários decks de Combo de fim de jogo tenham sido nerfados, o Paladino Exodia passou incólume ao nerf e pode ganhar espaço conforme o Meta se ajusta. Cenário bom: Guerreiro Ímpar ganha espaço. Cenário ruim: Ladino Missão ganha espaço.

Par
Exodia

Status: de boa na lagoa?
Com exceção da interação entre Infusão de Alma e Extratores de Saronita no Bruxo Zoo, a classe não foi afetada pelo nerf, mas o fim dessa interação e a provável ascensão do Ladino Ímpar não representam um bom cenário para esse arquétipo.

Já os arquétipos baseados em Gul’dan, o Furtassangue– Par, Cubo e Control – devem ganhar fôlego com a saída dos decks de Combo de fim de jogo e devem orientar o futuro da classe no novo Meta.

Zoo
Par
Cubo
Control

Status: Baleado e sangrando no chão

Não há como negar: Malfurion agonizará com o nerf. O nerf no Crescimento Silvestre é comparável ao nerf do Machado de Guerra Abrasador e até hoje o Guerreiro não se recuperou da porrada. A diferença entre passar o turno 2 sem afetar a mesa e passar o turno 3 é brutal e a perda de Tempo deve ser irreparável. Nutrir também se torna um card muito menos atrativo nesses custo e portanto todos os seus arquétipos com presença considerável no Meta, que não por acaso usam esses 2 cards, devem definhar. Sobrou algum deck de Druida que não tenham algum desses dois?

Druida Malevolente já foi um deck importante do Meta, mas nunca mais teve o peso no Meta após o nerf no seu card chave. Seria agora o momento de volta a brilhar? Seu maior inimigo era o Pala Ímpar, o que é uma boa notícia, mas não há muitas além dessa.
Malevolente

Status: Praticando habilidade manual para combar de Cobaia e Javali Pedratusco

Como não acontecia há muito tempo, pinta-se um cenário favorável para nosso amigo Anduin. Grito Psíquico já é um card excelente, mas em um universo dominado por Caçadores, seu valor é multiplicado. Decks como Sacerdote Clone e Control já estavam presente no Meta e devem ganhar terreno ao não ter que enfrentar Druidas com Armadura infinita ou Ladinos com Armas infinitas (com roubar vida).

E por fim, o Sacerdote APM, que apesar de ser um combo extremamente difícil de se jogar – especialmente em celulares com conexões ruins de internet (falo por experiência própria), pode ganhar força no Meta de maneira semelhante ao Ladino Missão.

Ressurreição
Control
APM

Status: garras que não mais agarram, bocarras que não mais urram.

O principal deck da classe foi obliterado – longa vida ao Calafrarte. Embora versões mais midrange, onde o agarrador/urrador apareça como um gerador de valor a lá Zul’jin existam, seu prospecto não é animador. Por outro lado, a classe conta com o Xamã Par que é um dos decks mais efetivos contra o Paladino Par, tem jogo bom contra os arquétipos de Caçador e só vê com bons olhos um decréscimo na quantidade presente de Pestes Incontroláveis. O deck que já é o mais importante no formato Livre tem tudo para ser um personagem importante no formato Padrão também.

Par

Status: Ganhando uma segunda chance após perder a esperança

Na primeira semana do Ringue do Rastakhan e com todo o oba-oba em torno do Mago Ímpar, a classe sofreu um duro choque de realidade e tudo indicava que rumaria para a obscuridade junto ao Guerreiro. Pois bem, há uma nova chance de começar do zero e tentar fazer o deck funcionar. Sem a presença do Paladino Ímpar, o poder heroico melhorado da classe é bem mais efetivo em controlar a mesa e existe um cenário mais positivo para o futuro. Os números levantados pelo VS indicam que listas mais agressivas do arquétipo devem prosperar melhor no formato vindouro.

Aggro Ímpar

Status: pronto para Blindar!
Guerreiro Ímpar é um deck feito para duas coisas: esmagar decks agressivos e perder para decks de Combo infinitos. No saldo, a saída do Pala Ímpar, Calafrarte, Ruína dos Reis, Fumbalumba e demais druidas é positivo para nosso amigo Garrosh, que deve sair da obsolescência para qual se rumava mais uma vez. Obviamente que a ascensão de outros decks infinitos (Ladino Missão, Sacerdote APM) é o que vai ditar se o deck vai ou não ser relevante no Meta, mas isso força um pouco a minha capacidade futurológica.

Mas não é só isso! Aparentemente a classe tem mais um arquétipo na manga pronto para ganhar espaço: Guerreiro Rapidez! O deck já vinha subindo de presença antes do nerf e nesse período de testes, deve ganhar mais atenção dos jogadores. Embora as listas iniciais ainda não a tenham incorporado, tudo indica que esse será mais um deck a jogar com a Cadaverina. Perceberam um padrão?

Ímpar
Rapidez

É isso, meus amigos. Por conta dessa surpresa, o próximo de Olho no Meta vai demorar mais um tempo até termos dados suficientes, mas até lá, eu também vou tentar descobrir quem é quem nesse verdadeiro Meta do Ringue de Rastakhan. Um abraço e até a próxima!


Gostou do artigo? Faça uma pequena doação! Saiba que esse artigo é um conteúdo voluntário e qualquer quantia por menor que seja já nos ajuda!


Em caso de doação o nome e a foto do doador será postado na aba Doações.

Elton Fior

Jogador de Magic desde 1996, Eltinho já foi 2 vezes vice-campeão brasileiro e se aventura no Hearthstone desde maio de 2014, sempre mirando o Rank Lendário. Ele é o autor do livro de estratégia Segredos de Hearthstone, que pode ser encontrado aqui. Sua classe preferida é a Ladina, mas ele joga de qualquer coisa – já conseguiu os 9 heróis dourados. Você pode entrar em contato pelo FacebookTwitter ou no seu canal do youtube

 

  • Krauser Hellclown

    Tomara que o Ladino Missão não retorne pro meta. É um saco jogar contra

  • Lucca Vanin

    no wild substitui meu kingsbane rogue por um mill rogue oldschool e peguei mais rank do q com o kingsbane