HEARTHSTONEDe Olho no Meta #45 – A Traição da Luz

ELTON FIOR 6 de dezembro de 2017

Antes de começar queria dizer a vocês que agora a nossa equipe também está pelo twitter com o objetivo de atualizar nossos seguidores mais rápido, campeonatos, artigos, listas, novidades, noticias e muito mais. Segue lá @equipemktv que vai ser um prazer!

Fala aí pessoal, de boa? Chegamos enfim à última análise do Meta de Cavaleiros do Trono de Gelo, já que Kobolds & Catacumbas será lançada no dia 07/12. Então o De Olho no Meta vai dar uma pausa com as análises do Padrão por umas 2 semanas até o que o Meta tenha alguma cara para a gente analisar. A análise final levou em conta 65.000 jogos de 22 a 28 de novembro. A divisão por popularidade de classes ficou assim:

Sacerdote – 19,7% (aumento de 1,7%)

Ladino – 17,9% (sem alterações%)

Druida – 17,2% (redução de 0,5%)

Bruxo – 13,1%  (redução de 0,9%)

Mago – 10,6% (aumento de 0,2%)

Caçador – 7,5% (aumento de 0,5%)

Xamã – 5,9% (redução de 0,3%)

Paladino – 5,2% (redução de 0,4%)

Guerreiro – 2,8%  (redução de 0,2%)

E assim fechamos o Meta do Trono de Gelo da mesma maneira que ele iniciou após o nerf: com o Sacerdote na liderança! Enquanto outras classes tiveram variações pequenas nessa última semana, nosso amigo Anduin arranjou gás para um sprint final digno dos corredores quenianos da São Silvestre. No final, acabou mesmo sendo um formato de 3 classes, com o Bruxo e o Mago rondando os líderes e as demais classes acabando de forma melancólica. Nenhuma classe foi não jogável como era o Bruxo de Un’Goro, mas não foi um Meta dos mais equilibrados.

Quanto aos arquétipos, não houve grandes alterações em relação à última semana:

Ladino Tempo – 15,19% (redução de 0,38%)

Sacerdote Highlander – 12,51% (aumento de 0,70%)

Bruxo Zoo – 8,59% (redução de 0,84%)

Druida Jade – 7,31% (redução de 0,35%)

Caçador Midrange – 6,93% (aumento de 0,62%)

Xamã Token – 5,57% (redução de 0,29%)

Druida Aggro – 5,46% (redução de 0,05%)

Bruxo Control – 4,40% (aumento de 0,08%)

Druida Big – 4,12% (redução de 0,15%)

Sacerdote Big – 3,99% (redução de 0,10%)

Mago Control – 3,60% (redução de 0,20%)

Mago Exodia – 3,08% (aumento de 0,53%)

Mago Segredos – 2,98% (redução de 0,07%)

Paladino Murloc – 2,64% (redução de 0,20%)

Outros – 13,63% (aumento de 0,38%)

O Meta fecha esse ciclo com 2 líderes acima de todos os outros decks por uma margem considerável e é notável a sua influência nos demais decks – Rastejante de Golakka é um tech card perfeitamente viável na maior parte das listas que não usam Keleseth e decks que não conseguem pressionar o Sacerdote o suficiente antes que ele feche o seu combo simplesmente não prosperam no formato.

No quesito variedade, algumas classes ficaram restritas a apenas um deck relevante no Meta, apesar de algumas variações nas construções, como é o caso do Ladino, Caçador, Xamã e Paladino. O Guerreiro, coitado, nem isso conseguiu. Druida e Mago foram as únicas classes com 3 decks acima da linha de corte, embora o Sacerdote possua 2 decks que ficaram no quase, Dragão e Silêncio. No final de contas, foi um formato bem mais estagnado que Un’Goro, mas depois do que foi o desastre druídico antes do nerf, até que ficou de bom tamanho.

A divisião dos tiers por porcentual de vitórias nessa semana ficou assim:

Tier

Deck

Porcentual de Vitórias

Variação Semanal

Popularidade no Meta

Tier 1
(52%+)

Druida Big

53,81%

+0,82%

Ladino Tempo

53,57%

-0,21%

Bruxo Zoo

53,21%

+0,44%

Druida Aggro

52,83%

+0,62%

Murloc Paladin

52,78%

-0,50%

14º

Tier 2
(50-52%)

Sacerdote Big

51,06%

0,00%

10º

Mago Segredos

50,52%

+0,29%

13º

Sacerdote Highlander

50,43%

+0,52%

Tier 3
(47-50%)

Caçador Midrange

49,36%

-0,45%

Druida Jade

49,09%

+0,12%

Xamã Token

48,88%

-0,46%

Mago Control

47,53%

+1,20%

11º

Tier 4
(47%-)

Bruxo Control

44,68%

-0,50%

Mago Exodia

43,97%

+0,25%

12º

 

Pra fechar a boa semana do Sacerdote, o Highlander viu uma recuperação boa nas últimas semanas, o que o jogou de volta ao Tier 2 de rendimento. Ele, assim como Mago Control, foram os únicos decks a subir de Tier. Nas demais, houve apenas algumas trocas de posições, com o Big Druid fechando o formato como o deck mais efetivo, ultrapassando o Ladino Tempo aos 47 do segundo tempo. Faço aqui uma menção ao Paladino Murloc, que apesar de nunca ter tido uma presença grande nesse Meta, sempre teve altos números de rendimento. Então investi no que tenho falado e usei o deck para alcançar o Rank Lendário nessa temporada. A lista pode ser encontrada no meu link do Facebook no final do artigo.

Por fim, como eu fiz no fechamento do ciclo de Un’Goro, já que não vale a pena analisar decks que em menos de uma semana vão ser radicalmente alterados com uma série nova, eu vou comentar os cards mais jogados do Trono de Gelo, baseado na sua presença no Meta.

10º, 9º e 8º – Malfurion, o Pestilento, Peste Incontrolável e Infestação Total – presentes no Druida Jade e Big (11,43% do Meta). Os dois primeiros desse trio servem para comprar tempo para você chegar aos 10 manas e deflagrar o terceiro integrante. É certo que o principal culpado pelo nerf no Avivar foi a Infestação Total, talvez o card mais forte do Trono de Gelo, mas a presença dos outros 2 cards e seus infindáveis lacaios 1/5 Provocar serviu em muito para garantir um Druida vivo até lá.

7º e 6º – Gul'dan, o Furtassangue e Senhor do Medo Sórdido – presentes no Bruxo Zoo e Control (12,99% do Meta). É íncrivel quando cards conseguem jogar tanto em decks agressivos quanto em Control, mas esse demônio e o chefão dele conseguiram esse feito, embora com funções bem distintas nesses decks. No Zoo, o Gul’dan é uma ferramenta de pressão final quando seu gás está para acabar, já no Control, ele ocupa a função antes exercida pelo Jaraxxus de ser o finalizador. Já o Senhor do Medo é simplesmente muito valor nas corridas contra outros decks agressivos e uma excelente controlador de mesa para o Control.

5º – O Lich Rei – presente no Druida Big, Sacerdote Big, Bruxo Control e Mago Control (16,11% do Meta). Também tem aparecido em listas de Ladino Tempo e Druida Jade. O chefão do Trono de Gelo é simplesmente muito forte, gerando uma presença de mesa que exige contestação e um fluxo de cards poderosos se não contido. Não dá pra pedir muito mais de um lacaio 8/8 de 8 manas, talvez apenas que ele causasse 8 pontos de dano a um inimigo aleatório no final do turno…

4º – Anduin, o Ceifador Sombrio – presente no Sacerdote Highlander e Big (16,50% do Meta). O Anduin combinado com o Raza, o Acorrentado ressuscitou o arquétipo Highlander que estava dormente desde a rotação do Reno Jackson. O combo é muito forte e o herói ainda serve de limpeza de mesa, onde no Big sua função principal é essa, mas ele realmente brilha no Highlander. E nada indica que ele irá dar uma trégua no próximo Meta.

3º – Príncipe Keleseth– presente no Ladino Tempo, Bruxo Zoo, Paladino Handbuff e Guerreiro Pirata (26,32% do Meta). Os príncipes foram motivos de piada quando foram lançados, mas nenhum card dominou tanto o Meta após o nerf quanto o Keleseth. Assim como o Anduin, ele exige uma estratégia pré-existente na construção do deck e depende de ser comprado cedo no jogo, mas muitos jogos foram decididos antes mesmo de começar pelo fato desse cara estar na mão de um jogador (e Yogg me perdoe pelos Passos Furtivos!).

2º – Escamorte Cobalto – presente no Ladino Tempo, Bruxo Zoo e Paladino Murloc (27,74% do Meta). Várias listas de Druida Aggro também estão trocando as Hidras Ondamara por ele. Era uma vez um Dragão de 5 manas que jogava em quase todos os decks. Aí ele foi pro Hall da Fama e todos ficaram tristes. Mas agora outro dragão de 5 manas joga em quase todos os decks e todo mundo está feliz de novo!

1º – Égua Esquelética – presente no Ladino Tempo, Bruxo Zoo, Mago Segredos, Paladino Murloc e Paladino Handbuff (30,72% do Meta). Costuma aparecer em muitas outras listas também, como Caçador Midrange, Druida Aggro e Xamã Token, além de ser o demônio da Arena. Certamente não foi o card mais comentado do Trono de Gelo. Nem o segundo e talvez nem o vigésimo. Era visto somente como algo muito forte na Arena e fim. Só que o Portal das Terras do Fogo sobre pernas demonstrou que 18 pontos de atributos por 7 manas – coincidentemente a mesma taxa do Dr. Cabum – não é pouca coisa. Rapidamente os jogadores passaram a entender que deixar lacaios vivos na mesa do oponente no turno 6 não era uma boa idéia e a Égua passou a ser um dos lacaios mais importantes do Meta, engordando mesas, criando trocas vantajosas e frequentemente largando um Provocar gordo na mesa.

É isso aí pessoal, o De Olho no Meta vai fazer uma pausa na análise do formato Padrão, mas nesse intervalo eu vou atualizar o Meta do Livre, mesmo que ainda sem Kobolds & Catacumbas. Espero que tenham gostado, um abraço e até a próxima!

Fugindo do Meta – Pirate Warrior

Ele foi o dono do Meta no último fechamento de ciclo, mas agora só responde por 1,22% do formato. Porém ainda possui um bom índice de vitórias, 50,76%, o que o colocaria no tier 2 de rendimento.


Gostou do artigo? Faça uma pequena doação! Saiba que esse artigo é um conteúdo voluntário e qualquer quantia por menor que seja já nos ajuda!


Em caso de doação o nome e a foto do doador será postado na aba Doações.

Elton Fior
Jogador de Magic desde 1996, Eltinho já foi 2 vezes vice-campeão brasileiro e se aventura no Hearthstone desde maio de 2014, sempre mirando o Rank Lendário. Ele é o autor do livro de estratégia Segredos de Hearthstone. Sua classe preferida é a Ladina, mas ele joga de qualquer coisa – já conseguiu os 9 heróis dourados. Você pode entrar em contato pelo FacebookTwitter ou no seu canal do youtube!

  • jonathan

    Boa analise, alguem poderia explicar os 18 pontos de atributos por 7 manas?

    • Duplo Ratox

      A égua é 5/5 (10) mais o buff que ela garante 4/4 (8) = 18

      • jonathan

        vlw

  • https://www.facebook.com/diogo.rodriguesdossantos.3 Diogo Santos

    Lgal a análise, mas to ansioso para ver a análise da nova expansão.