HEARTHSTONEDe Olho no Meta – Formato Livre #5 – Onde as Estrelas Não Mais se Alinham

Vander Rodrigues 3 de dezembro de 2018

Com o encerramento da análise do Padrão, antes do lançamento do Ringue de Rastakhan, eu trago a vocês a análise do formato Livre, sacudido pelos nerfs na Aviana e na Moreia de Mana. O primeiro nerf afetou dois dos decks mais influente do formato, o de Alinhador Astral e o de Rei Fubalumba, ambos abastecidos pelo Psicomelão Suculento; já o segundo obliterou o deck mais popular de Mago do Meta, embora uma versão ainda seja encontrada nas listas abaixo. Ao contrário da análise do Padrão, onde mudamos a fonte de dados para a HSReplay, os dados do Livre continuam vindo do Data Reaper do Vicious Syndicate.

Popularidade por Classe:
• Xamã – 16,35% (+0,03%)
• Ladino – 16,02% (+4,80%) +5 posições
• Sacerdote – 14,80% (+0,46%) – 1 posição
• Bruxo – 13,44% (+1,80%)
• Paladino – 9,43% (-2,21%)
• Mago – 8,95% (-4,53%) – 3 posições
• Caçador – 8,57% (+2,02%) +1 posição
• Druida – 7,91% (-3,46%) – 2 posições
• Guerreiro – 4,53% (+1,09%)

Como esperado, Druida e Mago desmoronaram diante do nerf, enquanto o Ladino foi a classe mais beneficiada no período subsequente. No geral, a divisão de classes pode ser separada em dois blocos de 4 heróis e o Guerreiro sobra de Forever Alone na lanterna.

Popularidade
– Rank Geral Tier 1 (7%+)
• Xamã Par – 11,58% (aumento de 0,46%)
• Big Sacerdote – 7,92% (aumento de 0,75%)

Tier 2 (5 a 6,9%)
• Bruxo Reno – 6,22% (aumento de 0,63%)
• Paladino Ímpar – 5,40% (aumento de 0,39%)
• Ladino Ímpar – 5,38% (aumento de 2,42%)
• Druida Jade – 5,36% (aumento de 2,242%)
• Ladino Ruína dos Reis – 5,15% (redução de 0,66%)

Tier 3 (3 a 4,9%)

• Xamã Calafrarte – 4,14% (aumento de 0,76%)
• Bruxo Zoo – 3,42% (aumento de 1,38%)
• Mago Reno – 3,04% (redução de 0,33%)

Tier 4 (2,9%-)

• Sacerdote Reno – 2,94% (fora da última análise)
• Mago Tempo – 2,82% (redução de 4,58%)
• Caçador Mecanóide – 2,67% (fora da última análise)
• Bruxo Cubo – 2,51% (redução de 0,44%)
• Druida Malygos – 2,00 (redução de 1,93%)

• Guerreiro Pirata – 1,75% (fora da última análise)

• Outros – 27,70% (redução de 3,61%)

Xamã Par, que já era o principal deck da última análise, continua com folga na dianteira de popularidade do formato. Ladino Ímpar, Druida Jade e Bruxo Zoo foram os arquétipos a mais ganhar espaço com a queda abrupta do Mago Tempo e Druida Malygos e o desparecimento dos outros dois decks de Druida. Embora geralmente eu apenas liste os decks com 2% ou mais de participação no Meta, eu abri uma exceção para o Guerreiro Pirata, pois eu queria que todas as classes fossem representadas na análise. O Ranking de Efetividade também foi bastante abaldo pelas mudanças:

Efetividade – Rank Geral


Os decks Aggro de Baku foram os grandes vencedores da reviravolta do Meta, o que não é novidade em um formato não tão refinado quanto o Padrão. Essa falta de refinamento se deve a alguns fatores: primeiro, a base de jogadores do formato Livre é bem menor do que a do Padrão; segundo, a base de cards disponíveis é muito maior; terceiro, existem muito menos torneios e streams nesse formato; isso torna a padronização das listas mais lenta do que no Padrão. E decks não refinados são um prato cheio para decks como o Paladino e o Ladino Ímpar, que dominam o início do jogos consistentemente, pois SEMPRE fazem a mesma coisa no turno 2. Então não é nenhuma surpresa após um período de nerfs de grande impacto ver esses decks ganharem um índice elevado de Efetividade.

Dando sequência ao que tenho feito no formato Padrão, abaixo segue um comparativo entre o Rank Geral e os Ranks mais elevados. No Padrão, há jogos em quantidade suficiente levantados no Rank Lendário para isolar apenas eles, mas no caso do Livre, farei a comparação com a faixa do Rank 4 ao Lendário. Assim como no Padrão, é interessante notar como em um formato mais refinado, os decks de Baku perdem bastante Efetividade, ainda continuem sendo os mais efetivos.


Também me dei ao trabalho de preparar um matriz de Efetividade entre os decks do formato Livre. É preciso salientar que só entram na análises confrontos que tiveram pelo menos 50 jogos entre si durante o período de análise, portanto os decks com baixa presença no Meta não tiveram valores sólidos para compor uma informação confiável e portanto estão listados como ### na tabela abaixo. Caso haja alguma dificuldade em entender os dados, segue um exemplo: Druida Jade ganha apenas 38,3% dos jogos contra Druida Malygos; 49,9% contra Caçador Mecanóide e 53,5% contra Mago Reno e assim por diante.

Nível de Efetividade entre Arquétipos:

Vou fazer um comentário breve sobre alguns decks (listas nos links):
Druida Jade sobrou como a principal escolha da classe após o assassinato da Aviana, mas é um deck sem grande destaque nos seus confrontos – quase nenhum matchup é excelente ou terrível.

Druida Malygos que era o pior dos 3 decks de Aviana acabou restando com o único mais viável após o nerf, mas tem dificuldade contra vários dos principais decks do formato e não é uma boa escolha no momento.

Caçador Mecanóide é um deck absolutamente explosivo mas perde o gás muito rápido caso não finalize nos primeiros turnos.

Mago Reno não é uma boa escolha no Meta, tendo números negativos contra todos os adversários que a análise conseguiu identificar 50 ou mais confrontos no período de referência.

Mago Tempo tenta seguir em frente com Guardiã de Segredos e Adepto do Kabal, mas nunca serão a Moreia de Mana!

Paladino Ímpar é um dos decks que define o formato, pois você tem que levá-lo em consideração na sua escolha. Sua grande força é que, com exceção do Bruxo Reno, mesmo seus adversários ruins não são confrontos pavorosos.
Big Sacerdote é outro pilar do formato, valendo-se do absurdo que é o Barnes contra os decks mais lentos e segurando o Paladino Ímpar na força do Talho Espiritual. Mas tem problemas com Ladino, Caçador e Guerreiro, especialmente Ladinos que usam armas 1/3 imortais que mantêm os buffs.

Sacerdote Reno voltou bem ao formato, jogando consistentemente bom contra os principais Aggro do formato, com destaque especial ao índice de 67,1% de Efetividade contra o Xamã Par.

Ladino Ímpar é o terceiro dos seis decks mais importantes na hora de preparar para o Meta Livre. Sua divisão de adversários é bastante polarizada, destruindo absurdamente muitos adversários mas mantido sob controle por ser dominado por 2 dos decks mais populares do formato.

Ladino Ruína dos Reis pega a tendência de polarização do deck acima e a eleva ao quadrado: seus adversários fáceis são muito fáceis, seus adversários ruins são terríveis. No momento, com o Meta cheio de decks Aggro, ele não se encontra num lugar muito agradável. Mas seu posto como anticontrol supremo o garante como o quarto pilar do formato.

Bruxo Reno é o quinto dos seis decks definidores do formato, com uma divisão bem equilibrada de adversários com exceção do Paladino Ímpar (ele trucida) e do Big Sacerdote e Ladino Ruína (trucidam-o). Como é um deck altamente customizável, você pode adaptá-lo para melhor encarar esses adversários ruins (Combo de [Mecha’thun] + Cataclismo + [Broto de Sangue] + Imperador Thaurissan contra o Big, [Gnomeferatu] + Gosma contra Ruína).

Bruxo Zoo é uma aberração no formato. O deck é ruim contra quase tudo, mas, ainda assim, tem uma parcela significativa do formato no quesito Presença. Somente o baixo custo explica tantos jogadores com o deck.

Bruxo Cubo tenta ocupar um lugar semelhante ao Ruína dos Reis, jogando contra os decks mais lentos, mas ao mesmo tempo não sendo tão ruim contra os Aggro. Infelizmente não faz o serviço da melhor forma.

Xamã Par é o último e o mais importante deck do formato, em torno do qual o Meta Livre joga em volta. Com exceção do Sacerdote Reno, nenhum outro deck pode afirmar que domina o confronto contra esse arquétipo e sua consistência é a chave de ser o deck mais popular, além de conseguir manter uma Efetividade alta apesar do alvo na testa.  Xamã Calafrarte, embora tenha melhorado desde a última análise, ainda é um deck fraco no Meta.

Guerreiro Pirata é o único dos decks agressivos sem Baku ou Genn a peitar essa mecânica. O deck é bem melhor do que seus números indicam, com confrontos positivos contra boa parte do Meta. O jogo negativo conta Xamã Par e Bruxo Reno é o que ainda o segura. Isso e a desconfiança dos jogadores após o nerf no Remendo, mas tanto esse deck quanto o Ladino Ímpar demonstram que mesmo nerfado e não mandar mais no convés, gerar valor grátis continua sendo uma boa jogada.

Por fim, eu gostaria de falar de um deck que não entrou na análise, mas deve crescer bastante nos meses vindouros: Bruxo Par. Nesse momento, deve ser o deck mais bem colocado no formato, com um índice de Efetividade Geral de 53,09% e de 54,09% nos Ranks de 4 a Lendário, demonstrando confrontos positivos contra Xamã Par, Paladino e Ladino Ímpar. Pra não dizer que eu não pratico o que eu digo, eu pilotei esse arquétipo do Rank 2 ao Lendário com um desempenho de 16-5.

E é isso pessoal, vamos agora ficar no aguardo do Ringue de Rastakhan e ver o que é que vai mudar tanto no Padrão quanto no Livre. Espero que tenham gostado do artigo e se tiverem qualquer dúvida/crítica/sugestão, é só entrar em contato. Um abraço e até a próxima!


Gostou do artigo? Faça uma pequena doação! Saiba que esse artigo é um conteúdo voluntário e qualquer quantia por menor que seja já nos ajuda!


Em caso de doação o nome e a foto do doador será postado na aba Doações.

Elton Fior

Jogador de Magic desde 1996, Eltinho já foi 2 vezes vice-campeão brasileiro e se aventura no Hearthstone desde maio de 2014, sempre mirando o Rank Lendário. Ele é o autor do livro de estratégia Segredos de Hearthstone. Sua classe preferida é a Ladina, mas ele joga de qualquer coisa – já conseguiu os 9 heróis dourados. Você pode entrar em contato pelo FacebookTwitter ou no seu canal do youtube

  • William Drumond

    Obg