HEARTHSTONERetrospectiva Ano do Mamute – Guerreiro

SuperUai 11 de abril de 2018

Olá, queridas e queridos! Em nosso último encontro, nós falamos do primeiro chefe guerreiro da nova Horda, vamos seguir então a história e vamos para o seu sucessor! Vamos falar da classe de Garrosh Grito Infernal. Como foi o Ano do Mamute para o Guerreiro?

Ano do Kraken

Assim como o seu parça, Thrall, Garrosh teve um bom ano do Kraken! Chegou a ter 3 decks no Tier 1 durante o primeiro quadrimestre, com Guerreiro Tempo, Guerreiro Tempo Dragão e Guerreiro C'Thun. Durante o meta de Uma Noite em Kharazan (UNK), teve o seu Executar nerfado, aumentaram o custo em 1 mana e o Guerreiro Tempo foi simplesmente dizimado com isso, okay, não somente isso, o meta de UNK foi absolutamente dominado pelo Xamã, ninguém teve a menor chance. Foi aqui que o Guerreiro Pirata começou a deixar de ser um meme para se tornar algo a se tomar cuidado!

No último quadrimestre, o Guerreiro Pirata simplesmente destruiu o meta. O que parecia ser um meta controle voltado para o Druida Jade e Bruxo Reno, foi absolutamente atropelado pelo Garrosh e seus lacaios do mar, não teve pra ninguém. O engraçado dessa época é que o Guerreiro Controle era um deck excelente para segurar os piratas, eu joguei de Gerreiro Controle nessa época e sustentava um absurdo de 80%+ de vitórias sobre decks aggros, mas amargava 10%- de vitórias sobre Reno Jacksons e Jades.

O Ano do Kraken foi a última grande era do Guerreiro Controle.

Ano do Mamute – Padrão

Guerreiro Pirata continuava absurdamente forte. Mesmo com a chegada da Rastejante de Golakka e Rastejante de Piche, os piratas ainda estavam com Remendo, o Pirata investindo forte em todo mundo. Era um deck muito forte. Em Un’Goro também surgiu um dos decks mais legais de jogar com o Guerreiro: O Guerreiro Missão. Finalmente o arquétipo que a Blizzard nos empurrava goela abaixo, desde O Grande Torneio, funcionou e que deck massa! Mas durou somente por 4 meses.

Chegaram os Cavaleiros do Trono de Gelo e mesmo em águas mais geladas, os Piratas se saíram bem, muito bem, mas o Pico Penacho de Fogo congelou de vez. Aliás, os piratas estavam tão bem, mas tão bem que um nerf que deveria ter acontecido um ano atrás finalmente aconteceu. Nerfaram o Machado de Guerra Abrasador, matando totalmente o Guerreiro. TODOS os Guerreiros, inclusive no Livre.

Veio Kobolds & Catacumbas e o Guerreiro continuou sumido. Tentou voltar para o jogo com a sua arma Lendária, Cutelo do Pesar, e tentar pegar carona no sucesso do Sacerdote Grandão (Big Priest), mas deu certo. O deck tinha poucos lacaios e uma vez que seus 5 lacaios eram destruídos o deck morria sozinho.

O ano começou muito bem para o Guerreiro e acabou MUITO mal.

Ano do Mamute – Livre

O Guerreiro no Livre nem existe mais. Só existia mesmo os piratas, o Guerreiro Controle nunca foi alguma coisa aqui e o Tempo Dragão também meh. Com o nerf do Machado, o Guerreiro simplesmente sumiu do mapa de qualquer modo de jogo.

Ano do Mamute – Cartas Destaque

As melhores adições à classe foram:

Pico Penacho de Fogo – Foi uma época excelente de se jogar de Guerreiro! Faltou uma Justicar Veras, mas ainda foi uma época ótima!

Filhote de Escornante – Uma ótima carta defensiva para o Guerreiro e que ajudou muito a completar a missão! É jogada até hoje no Livre em decks controle.

Lâmina Sangrenta – A comparação óbvia com essa carta era a Mordida da Morte, mas acabou que a Lâmina superou a Mordida e hoje é a arma mais usada pelo Guerreiro, inclusive no Livre.

Geoescultor Ipi – A única esperança do Guerreiro ser alguma coisa no futuro.

Armoreiro Secabigode – Outra grande esperança, mas não passa disso.

Ímpeto Temerário – Outra esperança… sim, foi um ano de esperanças…

Ano do Corvo – Perdas

O pacote pirata inteiro vai dar tchau, não que faça alguma diferença, pois tá morto faz tempo.

Imediato de N'Zoth – Já foi o terror do Turno 1. Equipando uma arma 1/3 e evocando o Remendo para o jogo.

Dormir com os Peixes – Uma excelente remoção e que vai dar tchau também.

Carniçal Agressivo – Como era delícia mandar pras cucuia aquele bando de bichinho 1/1 chato de lidar ou conseguir mandar um Executar depois de descer um 3/3 e quando o Carniçal era seguido por um Dormir com os Peixes, nossa, que saudade…

mktv_dormir_com_peixes retrospectiva

Ano do Corvo – O que esperar

Logo no anúncio da expansão, o hype para o Guerreiro está absurdo! As viúvas da Justicar Veras estão vendo em Baku, a Devoradora de Luas, a sua maior esperança de trazer de volta o Guerreiro Controle! Utilizar somente cartas ímpares é um empecilho que todos os amantes do GC estão mais que dispostos a pagar.

Com algumas outras revelações de cartas, o sonho do Guerreiro Tempo voltar também é forte. Um Guerreiro Rapidez pode ser um arquétipo bem interessante!

Não há sinal algum de um Guerreiro puramente Aggro.

Finalizando

Falamos das duas piores classes do Ano, que começaram muito bem e terminaram muito mal. No próximo capítulo vamos falar de uma classe que chegou bem, morou no abismo e hoje está com tudo! Quem adivinha?

Feras, sintam-se à vontade de complementar o artigo nos comentários! Adoro ver o que vocês têm a adicionar. Faltou alguma perda? Faltou alguma carta ótima? Qual a sua análise? Comenta ae, vamos conversar!


Gostou do artigo? Faça uma pequena doação! Saiba que esse artigo é um conteúdo voluntário e qualquer quantia por menor que seja já nos ajuda!


Em caso de doação o nome e a foto do doador será postado na aba Doações.

SuperUaisuperuai

Pai de dois futuros lenda, arranja tempo pra jogar entre uma troca de fralda e hora do papá. Sonha em voltar com os vídeos do canal, mas você pode acompanha-lo pelo Facebook ou pelo Twitter.

  • Luciano Oliveira

    “No próximo capítulo vamos falar de uma classe que chegou bem, morou no abismo e hoje está com tudo! Quem adivinha?”

    Começa com “Bru” e termina com “xo”?

    • Riquelme Lima

      Começa com S e termina com arcedote!

  • Bruno Santos

    Warrior e Rogue são minhas classes favoritas e não posso deixar de comentar esse artigo, que por sinal achei bom.

    Nota: prefiro usar os termos em inglês, já que não conheço as traduções brasileiras de algumas cartas.

    Primeiramente vou falar de uma “utopia” minha: cartas como o Ravaging Ghoul e Sleep With The Fishes deveriam migrar para o pacote clássico de tão boas que são! Eu poderia citar a Death’s Bite, Bash, Vengeance e Shieldmaiden/Iron Juggernaut (isso sim é lendária Blizzard!), não são absurdas, nem fracas e se encaixam perfeitamente na classe (pensando em controle). Quem sabe com o “desnerf” do Molten Giant (e a nova lendária do mago) surja algo do tipo futuramente, um salão de cartas especiais para slots extras num deck. Não custa sonhar!

    Um deck maravilhoso que pode voltar com tudo é o Sulfuras/Quest Warrior! Na verdade, era o único deck de Warrior que passei jogando eficazmente em 2017/2018, já que odeio o Pirate, o Fatigue me cansa (!) e o Big é muito prejudicado nesse meta.

    A mecânica de cartas ímpares pode beneficiar o Quest Warrior, fortalecendo seu early game (famoso turno do hero power), resistindo mais as agressões e podendo combar a recompensa da missão com as novas cartas (duplicar o dano e resetar o hero power). Lógico, isso é um sonho, não sei se é viável, mas com certeza vão testar!

    Eu mesmo já criei uns 3 decks de Warrior (Rush, Quest, Control) deixando os slots para as cartas novas, não tenho certeza, mas um deck ímpar deve ser a única forma do Control Warrior sair da caverna, considerando que Warlock, Priest e Paladin ganharam ferramentas para fortalecer ainda mais seus decks top tier. A grande mancada ao meu ver, foi a carta que revela uma arma do deck e aplica o dano na board ser par, se ela fosse ímpar, o deck teria uma remoção e tanto! Pensando nisso adicionei ela num deck Control normal com Arcanite Reaper e Gorehowl. Também fiz um Keleseth Rush, acho que essa lendária é sempre uma boa pedida em deck de Tempo.

    Amanhã é o dia! Quem sabe Garrosh volta para fulminar os oponentes novamente!

  • Vinicius Tanaka